Para ser criativo

Image

 

A curiosidade é um “estado de espírito” que já deve ter matado muitos gatos por aí, mas, felizmente, o meu parece ter sete vidas ou mais. Só pra exemplificar, de tão curioso que sou, contabilizei mais de 200 endereços online, entre sites e blogs, salvos em meus favoritos. 
 
O auge disso foi quando eu estava começando a aprender sobre fotografia, época em que qualquer informação era transformada em cliques. Fazia do Google e dos hiperlinks nos sites os meus melhores amigos para descobrir novas fontes de informação. Vez ou outra, me pegava perdido com tantas janelas abertas no navegador, tamanha era a minha vontade de aprender e tantos eram bons os sites que encontrava nessa minha busca quase desenfreada.  
 
Eu queria ficar por dentro desse fascinante novo mundo que se abria diante de mim. Busquei aprender novas técnicas, ler histórias de outros fotógrafos, ver os bastidores de um sessão para saber como fizeram aquele tal esquema de luz ou como se dirige uma modelo. Queria viver fotografia! Sim, viver fotografia, e não simplesmente “viver da fotografia“, fazer dinheiro. Sentia a necessidade em não me limitar em aprender apenas a operar corretamente os botões de minha câmera, visto que eu cursava publicidade e sabia que toda boa produção ia além do limiar técnico-chato. Precisava me inspirar, afinar a minha sensibilidade para ser o mais criativo possível, buscando formas para aplicar minhas ideias.
 
Apesar de estar limitado em equipamento e conhecimento, nada disso me impediu de ser ou tentar ser criativo, pois sempre tive claro em minha mente o que queria fotografar. Entre erros e acertos, já usei pilhas de livros para apoiar a câmera e ficar sem respirar por alguns segundos para fazer autorretrato, porque não era possível fazer imagens nítidas com ISO alto; luminárias das mais diversas já foram fontes principais de luz, tanto que já passei uma tarde inteira tentando fazer fotos de pequenos bonecos em cima de uma criado-mudo revestido com um pano preto e a luz era unicamente de um abajur. Fiz muitas coisas de gosto duvidoso, mas também tenho algumas belas fotos da época, unicamente por deixar minha curiosidade ser um bicho solto.
 
O que quero dizer com tudo isso? Seja curioso se quiser ser criativo! Essa é a única saída para irmos além da mediocridade e conseguirmos o nosso tão sonhado “estilo fotográfico”. Milhões de pessoas fotografam coisas parecidas todos os dias. É tão verdade que, se eu trocasse os nomes dos autores de algumas fotos, ninguém repararia.
 
Por Goldem Fonseca 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: